Saúde

Os opostos se atraem?

A Lei de Coulomb é uma lei da física que descreve a interação eletrostática entre partículas eletricamente carregadas, responsável pelo desenvolvimento do estudo da Eletricidade. Esta lei estabelece que o módulo da força entre duas forças que pode ser atrativa ou repulsiva dependendo do sinal das cargas. É atrativa se as cargas tiverem sinais opostos. É repulsiva se as cargas tiverem o mesmo sinal.

 

 

 

 A partir dessa teoria pode se observar que os opostos se atraem, porém podemos aplica-la nos nossos relacionamentos interpessoais, como dito popularmente?

 

Na adolescência ouvimos frases como a tampa da panela ou a metade da laranja e a partir daí supomos que o outro nos completaria pelas diferenças, ainda que inconscientemente, buscar no outro características que nos completem. Exemplo desse comportamento; uma pessoa introvertida sente se atraída por uma extrovertida, uma pessoa emocionalmente mais dependente que se sente atraída por outra mais independente, a pessoa caseira e a pessoa mais baladeira, etc. O que falta em mim o outro me completaria. Num primeiro momento, alguém muito diferente de você pode causar um magnetismo, uma química. Muitas vezes a pessoa nem compreende como o outro, sendo tão diferente, o atrai tanto. Mas, na convivência, as diferenças com certeza vão gerar atritos e dificuldades.

 

 Procurar preencher os próprios vazios através de outra pessoa não é a melhor forma de manter uma relação. Todo ser humano é incompleto, mas encontrar a metade da laranja não é achar necessariamente alguém que forneça algo que lhe falte. Quanto maior a diferença entre o casal, maior precisa ser o esforço para fazer com que a relação dê certo. Quanto maior a semelhança menos esforço e menos concessões terão de ser feitas.

 

Portanto observo em minha experiência clínica que os opostos se distraem não se atraem. Então se você está em algum relacionamento que esteja precisando de uma renovada ou queira se aproximar mais de alguém por necessidade ou por vontade procure coisas em comum, quanto mais coisas, mais próximo você vai estar da outra pessoa.

 

  Se não tiver nada em comum, você tem duas opções, se afastar ou criar coisas em comum. Isso pode não parecer surpreendente, mas não existem opostos, existe falta de semelhança aparente. Isso pode ser bom ou ruim dependendo do ponto de vista, pois tem pessoas que é melhor dizer que não tem nada a ver e manter se distante. Mas nos casos em que queremos deixar de ser opostos, precisamos estar dispostos, pronto, preparado e capaz, mudando o dito popular para “os dispostos se atraem e os opostos se distraem” porque nos dá chance de mudar nossos relacionamentos e ter mais controle da nossa vida.

 

E você? Está disposto?

 

 

Andresa de Gissi Sichieri

Psicóloga – Psicopedagoga

Clínica Viver Bem

Cel – Whats - 98192-4787

Instagram: @psicologaandresagissi



Veja Também


Contatos
(17) 3281-6173
(17) 99721-1925

Estância Turística
de Olímpia
Cep: 15400-000